Rede de Inovação Tecnológica para Defesa Agropecuária

Qual a importância do Técnico em Agropecuária na Defesa Agropecuária Nacional.

Saudo a todos

 

Gostaria de saber sua opinião sobre a importanica  do Técnico em Agrícola na Defesa Agropecuária Nacional.

 

Desde já agradeço sua contribuição

 

Exibições: 1915

Responder esta

Respostas a este tópico

Creio que o Técnico em Agropecuária acima de tudo, é um profissional que tem mais relação com os produtores rurais que os agrônomos e Veterinários em geral, por isso acho que o papel dele é muito importante por ter um contato maior com os produtores rurais.
Não precisa nem responder.
É bem claro que o Técnico em Agropecuária na Defesa é o funcionário que faz a diferença. Porém é o menos ouvido.
Em todo projeto que buscamos executar, seja na vida profissional ou na vida privada de cada um, temos que avaliar, qualificar e quantificar cada “peça” envolvida. Na Defesa Agropecuária não é diferente, cada peça envolvida tem sua parcela de contribuição e devemos considerar como “peça” e de importâncias equivalentes, desde o Produtor Rural até o formulador das Lei, Decretos, Normativas, etc e tal. Assim sendo, não preciso nem falar, que a minha opinião, qualifica todos os profissionais como de suma importância para o andamento do sistema de defesa agropecuária do nosso País. Assim sendo, acredito que não deveríamos nem levantar, aqui na RIT, essa discussão, pois, acredito que todos que trabalham com defesa agropecuária sabe, que apesar das limitações, expressas em Leis (CREA), entre outras que regulam a extensão da atuação do TA, este é de suma importância, tanto na Defesa Agropecuária como em qualquer outro trabalho que envolva um trabalho de ampla atuação no campo, e falo mais, acredito que os profissionais que acreditam que o TA não tem muita relevância que busquem, por um mês, fazer o trabalho sozinho, e depois comente aqui. Sou Eng° Agrônomo, trabalho com defesa agropecuária e sozinho e brigo muito para ter um TA me auxiliando nos serviços. E ainda acrescento que todos os servidores que fazem a Defesa Agropecuária são muitíssimos importantes para o andamento do sistema. O que seria da Defesa sem o Administrativo? O que seria da Defesa sem o Guarda Sanitário? Sem o Contador? Sem o Advogado? Sem ENG° Agrônomo? Sem O M. Veterinário? Sem o Zotecnista?
Vamos parar de querermos ser mais importantes que o vizinho e vamos, cada um de nós, fazermos a nossa parte da melhor forma possível!!!!!!!!
O Técnico Agropecuário é aquele responsável por uma análise prévia no que diz respeito a fiscalização agropecuária, dando um suporte, para que veterinários e agrônomos possam realizar os trabalhos de forma mais embasada e direta. Lembrando que o Técnico tem um conhecimento tanto na área de agrônomia quanto veterinária, diferente dos veteriaários e agrônomos que são específicos nas suas áreas de atuação.
Adorei sua resposta,e concordo plenamente com tudo que vc colocou neste pequeno e ótimo texto. Sou acadêmica do curso de agronomia e pretendo após formada desenvolver de forma correta e capacitada os trabalhos que são de competência dos engenheiros agrônomos, porém sempre valorizando o trabalho de cada pessoa (desde o agricultor até a maior autoridade de nosso país), mesmo uma pessoa sem formação profissional nenhuma como é o caso de muitos agricultores, desenvolvem seu trabalho por vezes com mais eficiência do que pessoas diplomadas,então acho também que cada um tem sua contribuiçaõ positiva ou não para sociedade,e que cada um tem o reconhecimento que merece,sem precisar estar levantando discussão sobre qual a importância de tal profissional.

Gabriel Oliveira Martins disse:
Em todo projeto que buscamos executar, seja na vida profissional ou na vida privada de cada um, temos que avaliar, qualificar e quantificar cada “peça” envolvida. Na Defesa Agropecuária não é diferente, cada peça envolvida tem sua parcela de contribuição e devemos considerar como “peça” e de importâncias equivalentes, desde o Produtor Rural até o formulador das Lei, Decretos, Normativas, etc e tal. Assim sendo, não preciso nem falar, que a minha opinião, qualifica todos os profissionais como de suma importância para o andamento do sistema de defesa agropecuária do nosso País. Assim sendo, acredito que não deveríamos nem levantar, aqui na RIT, essa discussão, pois, acredito que todos que trabalham com defesa agropecuária sabe, que apesar das limitações, expressas em Leis (CREA), entre outras que regulam a extensão da atuação do TA, este é de suma importância, tanto na Defesa Agropecuária como em qualquer outro trabalho que envolva um trabalho de ampla atuação no campo, e falo mais, acredito que os profissionais que acreditam que o TA não tem muita relevância que busquem, por um mês, fazer o trabalho sozinho, e depois comente aqui. Sou Eng° Agrônomo, trabalho com defesa agropecuária e sozinho e brigo muito para ter um TA me auxiliando nos serviços. E ainda acrescento que todos os servidores que fazem a Defesa Agropecuária são muitíssimos importantes para o andamento do sistema. O que seria da Defesa sem o Administrativo? O que seria da Defesa sem o Guarda Sanitário? Sem o Contador? Sem o Advogado? Sem ENG° Agrônomo? Sem O M. Veterinário? Sem o Zotecnista?
Vamos parar de querermos ser mais importantes que o vizinho e vamos, cada um de nós, fazermos a nossa parte da melhor forma possível!!!!!!!!
Muito importante. Vejo que o Brasil só tem a crescer a contribuição dos T.A. Tambem vejo que o Técnico em Agrop é um importante canal de comunicação do conhecimento no meio rural.
eu acredito que lhes falta formaçao acadêmica, ecológica,de embasamento. estão sendo formados para vender agrotóxicos, estão substituindo o agrônomo. em nenhuma agropecuária que conheço, existe um profissional agrônomo, apenas técnicos, que podem assinar receituário agronômico, sem um conhecimento profundo dos princípios básicos de uso de defensivos. Como agrônoma, ´percebo que disputamos atividades com vários profissionais graduados, e não contratam um agrônomo, mas sim, um técnico, que praticamente atua como agrônomo, assina projetos, então, a profissão de agrônomo está sendo extinta. Todos os atententes da cooperativa que frequento, sao técnicos, que só vendem agrotóxicos indiscriminadamente. e nao tem um agrônomo, entao, vejo-os como profissionais baratos, com conhecimento prático, mas sem embasamento químico-físico-social do seu trabalho.
ah, esqueci, meu "chefe " é um TA, quando me manda emails, ás vezes, duvido que seja de um superior, pq seu português é sofrível, seu discernimento social, egoísta, e, formou-se na EAFS, assim como outro colega meu, que também nao tem a mínima noçao do que seja uma regra de três, podem até ser exceção, mas todos que conheço, estão apenas pensando em lucros máximos, vender bastante agrotóxico, nem sequer falam em rodízio, EPI,calibragem de equip, enfim , nao encontrei nenhum ainda que pense em sustentabilidade. Todos somos necessários, mas com essa formaçao pífia, como formar seres cr´ticos? só se pensa em exportar! vender, lucrar. Não tem noçao de sintomas de doenças, identificar espécies. que espécie de TA estao se formando? pessoas á serviço do agronegócio? da exportação? a agricultura é responsãvel pelas maiores emissões de carbono e gases do efeito estufa. E se formam TA que tenham senso crítico ou funcionários (des)qualificados que subtituem agronomos.
Discordo da Mônica.
Também sou agrônoma e nunca disputei espaço com Técnicos em Agropecuária. Acho que nossas profissões se complementam, a semelhança do médico e enfermeiro. O problema é não somos tão organizados.
O Técnico em Agropecuária é um profissional de suma importância no campo, pois na maioria das vezes é ele quem está em contato direto com o agricultor, identificando os problemas e auxiliando na defesa. Não concordo na generalização de que não tenham formação. Muito agrônomos também não tem. Quantos agrônomos estão sendo formados para vender agrotóxicos também? Estudei numa universidade considerada elite na área agrícola e 80% dos meu colegas hoje vendem insumos "indiscriminadamente".
Acredito que temos que avançar muito na educação técnica, mas continuo achando o papel do técnico muito importante, pois nós agônomos não podemos fazer todo o trabalho do campo. Lógico que precisamos de ajuda.
Atuando no ensino técnico conheço diversas instituições, em diversos estados, que hoje direcionam sua matriz para o desenvolvimento rural sustentável e formam técnicos muito mais preparados para enfrentar a realidade do que eu fui nos tempos de universidade.
o técnico agrícola, técnico em agropecuária ou outras denominações afins tem competencias adquiridas na formação para compreender os programas de Defesa Agropecuária Nacional e realizar atividades dentro da Defesa com conhecimentos especificos e executar ações sabendo o porque, o como e o para que. A execução dos programas da Defesa agropecuária tem conotação e desempenho diferente quando exercida por profissionais da area. A minha experiencia dentro do serviço de Defesa mostra que a qualidade das ações executadas por técnicos agrícolas da equipe é diferente em relação as executadas pelos administrativos.
Discordo da Drª. Monica Diehl Fernandes (Agrônoma), na realidade, só porque o seu chefe é um Técnico em Agropecuária, ela não consegue ver a importância do TA na Defesa Agropecuária Brasileira, diferentemente do Dr. Gabriel Oliveira Martins (Eng° Agrônomo), que sente a falta que lhe faz um TA trabalhando com ele. Sou Técnico em Agropecuária, formado em 1976 no Colégio Agrícola de Jundiaí - UFRN - Macaíba - RN, a 8 anos trabalho como Técnico em Fiscalização Agropecuária (concursado) na ADAB (Agencia de Defesa Agropecuária do Estado da Bahia) e estou cursando o 10º semestre de Medicina Veterinária na UFBA; conheço grande nº de TA neste Brasil, assim como Agrônomos, Veterinários, Zootecnistas que trabalham conosco, e não vejo essa incapacidade dos TA, aliás, segundo o CREA, nós somos responsáveis por atividades de "média complexidade", cabendo aos profissionais de nível superior as atividades de "alta complexidade", como por exemplo realizar pesquisas, e que podem contar com os TA para sua execução; se bem que temos um grande nº de TA trabalhando na área de pesqisa e com bons resultados. Aqui na ADAB, mais de 60% dos TA já concluíram ou estão cursando uma Faculdade de Agronomia, Veterinária, Zootecnia, Biologia e outras áreas que podem ser aproveitadas pela Defesa Agropecuária, como Economia, Administração, Sociologia, etc. Na verdade, o que nós estamos lutando é para que seja reconhecida a importância do Técnico em Agropecuária na Defesa Agropecuária Nacional, visto que, tanto os Dirigentes estatais como Parlamentares e Execultivos despresam essa "importância" dos Técnicos em Agropecuária, basta ver o último concurso público do MAPA para Agente de Inspeção que foi aberto a qualquer candidato com o 2º grau, quando as ações exercidas por estes Agentes são inerentes a formação do Técnico em Agropecuária; aqui na Bahia foi exigido a formação de Técnico em Agropecuária, no concurso público realizado pela ADAB no ano de 2000, mas, no dia-a-dia somos preteridos em favor de servidores temporários (REDA) que, em muitos casos não têm nem o 2º grau completo, mas são amigos de líderes políticos. A Defesa Agropecuária Nacional precisa de profissionais competentes e dedicados como muitos Técnicos em Agropecuária espalhados pelo Brasil, assim como também Médicos Veterinários, Engenheiros Agrônomos, Zootecnistas...
Em suma, o TÉCNICO EM AGROPECUÁRIA é de suma importância para a Defesa Agropecuária Nocional.
Obrigado Drª. Shaiene Costa Moreno, é de profissionais com o seu pensamentos que a Defesa Agropecuária Nacional precisa para crescer, e assim podermos competir com os Países do chamado 1º mundo, afim de que nossos produtos agropecuários possam serem considerados de 1ª qualidade no mercado externo.

RSS

Vídeos

  • Adicionar vídeo
  • Exibir todos

© 2014   Criado por Inovadefesa.   Ativado por

Badges  |  Relatar um incidente  |  Termos de serviço