Rede de Inovação Tecnológica para Defesa Agropecuária

De posse de um vídeo com maus tratos, a ONG pressionou o Grupo Pão de Açúcar a parar de comprar carne suína de fornecedores que usam métodos de confinamento considerados cruéis. Os produtos da Aurora são vendidos nos supermercados Pão de Açúcar, Extra e Assaí, do grupo.

Segundo a ONG, com quase o mesmo tamanho dos animais, as celas de gestação consistem numa das piores práticas da indústria e já foram banidas na União Europeia.

O comunicado da Aurora enviado à Folha diz que a cooperativa “promoverá investimentos em novas iniciativas e adequações que aumentem a produção em baias coletivas, apoiando seus cooperados no cumprimento deste compromisso”.

A empresa afirma que, desde 2008, adota e aplica políticas de bem-estar animal nas cadeias produtivas de aves e suínos. Formada por 13 cooperativas, diz respeitar quatro princípios fundamentais para avaliação do bem-estar dos animais recomendados pelo Welfare Quality: boa alimentação (ausência de fome e sede prolongada); bom alojamento (conforto ao descansar, conforto térmico e facilidade para se movimentar); boa saúde (ausência de lesões, doenças e de dor provocada por manejo inadequado) e comportamento apropriado (expressão do comportamento natural, ausência de medo e estresse e boa relação entre humano e animal).

A Associação Brasileira de Proteína Animal (ABPA) também enviou sua posição sobre a reportagem, por e-mail, afirmando que diversas agroindústrias brasileiras já assumiram o compromisso de extinguir a cela de gestação dentro de um prazo pré-estabelecido, entre elas as maiores produtoras do setor.

R$ 1,5 bilhão para mudar modelo

A Aurora e a ABPA afirmam que o prazo até 2026 é necessário pelos custos elevados da modificação, estimados em R$ 1,5 bilhão. Segundo a ABPA, não há crédito disponível para que os produtores arquem com os custos em um curto espaço de tempo, que poderiam causar escassez para o consumidor final.

Segundo a associação, com um processo de produção mais caro o custo do alimento também se elevará. Por este motivo, argumenta, há esforços para que a mudança ocorra de forma gradativa.

“Mesmo na União Europeia, onde este processo está mais avançado, ainda não há consenso quanto à efetividade do abandono da cela de gestação, ao mesmo tempo em que vários países, como a Alemanha, não conseguiram abandonar totalmente o sistema”, diz a ABPA.

A entidade diz que não há fiscalização das metas e prazos de modificação, por se tratar de “um processo voluntário” estabelecido pelas próprias empresas.

Ovos

A Aurora afirma também que “está promovendo um levantamento junto aos seus parceiros comerciais sobre o uso de ovos em suas produções para, em um horizonte breve, anunciar com viabilidade e segurança a meta de ovos 100% livres de gaiolas”.

FONTE

Gazeta do Povo

Exibições: 9

Instituições

Apoio

Parceria

Vídeos

  • Adicionar vídeo
  • Exibir todos

© 2017   Criado por Inovadefesa.   Ativado por

Badges  |  Relatar um incidente  |  Termos de serviço